Um Novo lº de Maio

UNITED STATES - MAY 01: Women workers in the May Day Parade in Union Square demand a 30 hour work week. (Photo by Tom Watson/NY Daily News Archive via Getty Images)

Nova Iorque, 1º Maio 1936 (Tom Watson/NY Daily News Archive)

Está velho este século, e vai ser o 3º Milénio d.C. que lhe vai fazer o enterro. Mas está velho! Antigamente os séculos não costumavam envelhecer assim tão depressa, pois passavam uns aos outros as suas esperanças. O ritmo do Tempo acelerou-se, mas as velocidades do famoso século XX envelheceram-no. Ao analisar todos os sectores  do Mundo, verificamos que tudo está velho, é tudo que precisa de ser novo.

Uma coisa tão esperançosa, por exemplo, como foi o Sindicalismo, não sai do sítio, por mais gritos, manifes e lutas que promovam. Um movimento tão independente, tão livre e criativo, acabou por cair nas mãos dos “patronos”, novos “patrões”, piores, que os antigos, que exploravam, o corpo ou a força de trabalho, mas não “possuíam” nem pretendiam “possuir” a alma dos Trabalhadores… Os “patronos” da classe trabalhadora descobriram-lhes a alma, e logo aí projectaram a rampa de lançamento de uma Nova Sociedade de poderes concentrados, isto e, concentracionários!…

Duma sociedade de servos, de servos da gleba, de servos-fabris, de proletários, passámos à Sociedade das Formigas dirigida por exércitos de funcionários, militares e policiais. Enquanto, por um lado, o Capitalismo decadente e desorganizado, porque liberal, continua a comer a carne e os ossos aos que lhe semeiam e amassam o Pão, e continuam a “tosquiar” periodicamente as ovelhas mansas, exigindo e conseguindo sacrifícios de quem toda a vida só fez sacrifícios… … Por outro lado, a mesma Miséria fatal, Invencível, só que planificada, mantém na inércia a classe mais conservadora de todas as classes: os Trabalhadores!

Não há nada a fazer? Há! Quem disse que não há?!…
Um pouco já por todo o Mundo, um pouco novo de tudo já está a rebentar. Um Novo lº de Maio. E outras datas históricas que hão-de tornar-se históricas, na medida em que os 
acontecimentos novos vão varrer todo o lixo… fascista… Toda a porcaria ideológica que, como demónios, se apegou, se 
pegou a  todos nós… ou algum de nós pode ousar dizer que
 nunca chegou a ser tentado?!

Mas, enquanto o que é novo historicamente já brota um novo perigo também já nos espreita. A NOVA DIREITA que só Deus sabe se, quando, como, quantos mártires não fará!… Porque o Grande Afrontamento ainda não se deu… na medida em que as sociedades novas sonhadas pelos utopistas e aproveitadas pelos partidos totalitários, eram, agora sabe-se e percebem-se, frutos espúrios do Cristianismo, uma espécie de filhos-de-fora da Igreja. Mas o Moderno Fascismo que vem aí, assume-se como Pagão, e pretende exaurir e destilar do Paganismo Histórico toda uma ideologia e uma doutrina de pensamento de acção.

Tudo isto apenas serve para dizer que tudo o que de novo já brota não nascerá sem dificuldades para vencer, só poderá consegui-lo à nova maneira de Jesus Cristo, que é morrendo por Aquilo que se acredita, por Aquilo que se espera, por Aquilo que se ama. Só Deus sabe se, quando, como, quantos Mártires vai custar a Libertação conseguida única e exclusivamente  pela força da Verdade. Nos sítios onde o Processo já começou, os novos mártires estão já fazendo estremecer Mundo. E é evidente  que se me refiro à América Latina e às Filipinas, não penso de maneira nenhuma na guerrilha. Essa, a Guerrilha já caiu ou cairá nas mãos de quem a vai desarmar, na inevitável dupla atracção dos dois astros que nestes dias desconjuntam a Terra. Lá estão sempre os mesmos, lá estão eles, lado a lado, vendendo e comprando revoluções, subversões, aproveitando a espantosa energia humana, em calor e sangue, das densas camadas populares famintas e sedentas de Justiça e de Paz. Lá estão eles, sempre eles, frente a frente, disputando a posse de Mundo.

Não. Os novos mártires não morrerão de armas na mão. E se, em algum caso, isso acontecer, Deus é o Senhor da História, será sempre, à maneira de Joana d’Arc, que, mesmo assim, acabou por morrer às mãos e ao julgamento de quem nunca a poderia compreender, nem compreender as “vozes” que a mandaram “levantar” o Povo oprimido pelo Estrangeiro. Sim, porque o Novo Sindicalismo não tem nada de passivo, mas é engenhoso e criativo, porque fruto da Consciencialização. Os primeiros e antigos Mártires morreram por resistir-não-resistindo aos poderes do Mundo. E acabaram por vencer. Se não tivessem resistido, se tivessem “incensado” os deuses do Mundo, a esta hora a Mensagem não teria chegado até nós, mas teria ficado vencida logo ao nascer. E porque não resistiram, isto é, porque se deixaram matar, os poderes do Mundo não os dobraram, não os submeteram. Contra as “armas” dos Cristãos, os deuses-do Mundo, nada podiam. O nosso rico Arsenal em que nos armamos dos pés à cabeça, desde o empenhamento em anunciar o Evangelho da Paz até ao capacete da Justiça, com o escudo da Fé e a espada da Palavra, e armadura da Verdade o nosso Arsenal é inutilizável por aqueles que nos combatem, e que se preparam já para nos fazer desaparecerem da face da Terra, pois já dizem e até já escrevem: “o Cristianismo foi a maior peste que veio à Terra…”

Vocês sabem, meus Irmãos, que já se conseguiu a igualdade de todos os Homens perante a Lei, e o Antigo Regime foi abolido. No primeiro 1º de Maio, os Trabalhadores conseguiram as-oito-horas-de-trabalho, com o esforço dos primeiros Sindicalistas livres e independentes. Sempre as grandes conquistas dos Trabalhadores foram obra de gente livre e independente, exactamente como a Independência da Índia conseguida por Gandí e a emancipação dos Negros Americanos conseguida por Luther King. Sempre que alguma força de outra natureza, com outros fins e com outros meios, se assenhoreou das Grandes Criações da História, comprometeu logo irremediavelmente novas conquistas

Eu não me refiro àquela isenção, liberdade e independência, tão apregoadas pelos “notários” deste estado-de-coisas, do “statu quo”, do establishment. «A Lei é o regime do Adquirido». Só a Liberdade é criativa. Razão porque os grandes obreiros de coisas novas’ sempre fizeram “desobediência-civil”, sempre souberam desobedecer à Lei, e impor mudanças à própria Lei. O Novo “Sindicalismo”, como todas as outras coisas novas que estão a brotar, terá que lutar contra a própria Lei.. Todos os Mártires desde Jesus Cristo o foram sob a Lei, desde Jerusalém a Roma. Uma única coisa é necessária: saber o que se quer, e saber querer: “prudentes como as serpentes”…

Neste capítulo não dou exemplos. Todos vos sabeis e estais informados do que se está a passar dentro de cada “bloco”: coisas muito interessantes… Entretanto, não temos razões para celebrar o lº de Maio? Sim, e muitas! Até porque um lº de Maio chama por outro lº de Maio…

Duas coisas consegui, que não pretendia  nesta Homilia consagrada à Graça Pascal contida na grande lição do lº de Maio: fazer debate e armar à Profeta. Se provoco um debate com as minhas opiniões “pessoais”, não  terei perdido nem o meu nem o vosso tempo». Se “profetizei” então animei a vossa Esperança. De qualquer modo, tenho o vosso Amor que acredita na minha sinceridade, e vocês já são suficientemente adultos para perceber e distinguir as coisas:   o secundário, como eu, por
 exemplo, e o Essencial da Mensagem que transparece 
em Jesus Cristo e na Igreja.

Leonel Oliveira, 1990.05.01 (Domingo V do Tempo Pascal)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *